Quando a cirurgia plástica é usada

A cirurgia plástica é usada para reparar e reconstruir tecidos e pele ausentes ou danificados.

O principal objetivo da cirurgia plástica é restaurar a função dos tecidos e da pele ao mais próximo do normal possível.

Melhorar a aparência das partes do corpo é um objetivo importante, mas secundário.

A cirurgia plástica é diferente da cirurgia estética, que é uma cirurgia realizada apenas para mudar a aparência de uma pessoa saudável para conseguir o que ela considera uma aparência mais desejável.

Quando a cirurgia plástica é usada

A cirurgia plástica pode ser usada para reparar:

  • anormalidades que existiam desde o nascimento, como fenda labial e palatina, dedos palmados e marcas de nascença
  • áreas danificadas pela remoção de tecido canceroso, como do rosto ou da mama
  • queimaduras extensas ou outras lesões graves

A cirurgia plástica muitas vezes pode ajudar a melhorar a auto-estima, a confiança e a qualidade de vida geral de uma pessoa.

Técnicas de cirurgia plástica

As principais técnicas utilizadas durante a cirurgia plástica são:

  • enxertos de pele – onde a pele saudável de uma área não afetada do corpo é removida e usada para substituir a pele perdida ou danificada
  • cirurgia de retalho cutâneo – onde um pedaço de tecido de uma parte do corpo é transferido para outra, junto com os vasos sanguíneos que o mantêm vivo; é chamada de cirurgia de retalho porque o tecido saudável geralmente permanece parcialmente preso ao corpo enquanto é reposicionado
  • expansão do tecido – onde o tecido circundante é esticado para permitir que o corpo “cresça” pele extra, que pode então ser usada para ajudar a reconstruir a área próxima

Além dessas técnicas, os cirurgiões plásticos também usam muitos outros métodos, como:

  • transferência de gordura ou enxerto – onde a gordura é removida de uma área e inserida em outra área, geralmente para corrigir irregularidades
  • fechamento a vácuo – onde a sucção é aplicada a uma ferida por meio de um pedaço de espuma estéril para retirar o fluido e estimular a cura
  • camuflagem maquiagem ou creme
  • dispositivos protéticos, como membros artificiais

Riscos da cirurgia plástica

Como acontece com qualquer tipo de cirurgia, a cirurgia plástica tem riscos associados.

O grau de risco depende do tamanho da área afetada, do nível de experiência do cirurgião e da saúde geral da pessoa que fará o procedimento.

Alguns procedimentos apresentam riscos específicos, mas os riscos gerais incluem:

  • dor e desconforto
  • sangrando
  • infecção
  • cicatriz

Entre em contato com seu cirurgião ou equipe de saúde imediatamente se tiver alguma dúvida após a cirurgia, como dor inesperada, inchaço, secreção ou outros efeitos colaterais.

A cirurgia plástica pode envolver várias técnicas diferentes para mover e manipular o tecido corporal.

Antes de fazer uma cirurgia plástica, você deve consultar um cirurgião plástico.

Eles explicarão em detalhes o que acontecerá antes, durante e após a cirurgia. Você também pode receber uma avaliação psicológica.

Os enxertos de pele costumavam ser o principal tipo de cirurgia plástica, mas técnicas mais novas, como expansão de tecido e cirurgia de retalho, agora são usadas com frequência.

Fonte: Reprodução: Pinterest

Enxertos de pele

Um enxerto de pele ocorre quando a pele saudável é removida de uma área não afetada do corpo e usada para cobrir a pele perdida ou danificada.

Eles podem ser usados ​​para fraturas ósseas que rompem a pele (fraturas expostas), grandes feridas ou quando uma área da pele é removida cirurgicamente por exemplo, devido a câncer ou queimaduras.

Existem 2 tipos principais de enxerto de pele.

Enxerto de pele de espessura parcial ou dividida

É aqui que uma fina camada de pele (tão fina quanto papel de seda) é raspada de uma área que geralmente cicatriza bem, como a coxa, nádegas ou panturrilha.

A área doadora geralmente leva 2 a 3 semanas para cicatrizar e fica rosada por alguns meses antes de desbotar para deixar uma cicatriz tênue (quase imperceptível).

Enxerto de pele de espessura total

É aqui que toda a espessura da pele (a camada superior e as camadas inferiores) é removida e a área é fechada diretamente.

Os locais frequentemente usados ​​incluem o pescoço, atrás da orelha, o braço e a virilha.

Como esse tipo de enxerto de pele é mais espesso, a coleta de um novo suprimento de sangue pode ser mais difícil, portanto, qualquer curativo será deixado no local por 5 a 7 dias antes de ser removido pela equipe cirúrgica.

O que acontece

Antes do procedimento, você receberá um anestésico geral ou local, dependendo do tamanho e da localização da área afetada.

O enxerto de pele geralmente é mantido no lugar com pontos, grampos, clipes ou cola especial.

A área será coberta com um curativo esterilizado até que se conecte com o suprimento de sangue circundante, o que geralmente leva cerca de 5 a 7 dias.

Um curativo também será colocado sobre a área de onde a pele foi retirada (o local doador) para ajudar a protegê-la de infecções.

A área doadora de enxertos de pele de espessura parcial geralmente leva cerca de 2 semanas para cicatrizar.

Para enxertos de pele de espessura total, a área doadora leva cerca de 5 a 10 dias para cicatrizar, porque normalmente é muito pequena e fechada com pontos.

No início, a área enxertada aparecerá roxo-avermelhada, mas deve desaparecer com o tempo. Pode levar um ou dois anos para que a aparência da pele se estabeleça completamente.

A cor final pode ser ligeiramente diferente da pele ao redor, e a área pode ser ligeiramente recortada.

Expansão de tecido

A expansão do tecido é um procedimento que estimula o corpo a “desenvolver” uma pele extra, esticando o tecido circundante. Essa pele extra pode então ser usada para ajudar a reconstruir a área próxima.

Exemplos de quando a expansão do tecido pode ser usada incluem a reconstrução da mama e o reparo de grandes feridas.

Sob anestesia geral, um dispositivo em forma de balão denominado expansor é inserido sob a pele próximo à área a ser reparada.

Este é gradualmente preenchido com água salgada, fazendo com que a pele estique e cresça.

O tempo que leva para o tecido se expandir pode variar, dependendo do tamanho da área a ser reparada.

Se uma grande área da pele for afetada, pode levar de 3 a 4 meses para que a pele cresça o suficiente. Durante esse tempo, o expansor criará uma protuberância na pele.

Depois que a pele se expandiu o suficiente, uma segunda operação é necessária para remover o expansor e reposicionar o novo tecido.

Essa técnica garante que a área reparada da pele tenha uma cor e textura semelhantes à área circundante.

Também há uma chance menor de falha do reparo porque o suprimento de sangue para a pele permanece conectado.

Cirurgia de retalho

A cirurgia de retalho envolve a transferência de um pedaço de tecido vivo de uma parte do corpo para outra, junto com os vasos sanguíneos que o mantêm vivo.

Pode ser usado por vários motivos, incluindo reconstrução de mama, fraturas expostas, grandes feridas e, em casos raros, para melhorar uma fenda labial e palatina.

Na maioria dos casos, a pele permanece parcialmente aderida ao corpo, criando uma “aba”. O retalho é então reposicionado e costurado sobre a área danificada.

Para reconstruções mais complexas, uma técnica chamada retalho livre é usada.

É aqui que um pedaço de pele e os vasos sanguíneos que a fornecem são totalmente desconectados do suprimento de sangue original e reconectados em um novo local.

Uma técnica chamada microcirurgia (cirurgia com microscópio) é usada para conectar os minúsculos vasos sanguíneos no novo local.

Um retalho livre é frequentemente usado quando grandes áreas de tipos de tecidos específicos são necessários para a reconstrução.

Dependendo da localização e do tamanho do retalho, a operação pode ser realizada sob anestesia geral ou local.

Como a cirurgia de retalho permite que o suprimento de sangue para a área reparada seja mantido, há um risco menor de falha do reparo em comparação com um enxerto de pele.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Cirurgia_pl%C3%A1stica#:~:text=A%20pessoa%20quando%20se%20submete,abano%2C%20ou%20uma%20mama%20fl%C3%A1cida